Leites de fórmula: diferenças e preparo

A maioria das fórmulas infantis é à base de leite de vaca modificado, para que se pareçam o mais possível com o leite materno. Os fabricantes modificam o leite de vaca para o consumo de bebês ajustando os níveis de carboidratos, proteínas e gordura, e acrescentando vitaminas e minerais. 

A proteína do leite é bastante alterada nas fórmulas para tornar sua digestão mais fácil, já que os bebês só estarão aptos a digerir leite de vaca normal (integral) depois do primeiro ano de vida. 

O principal carboidrato presente no leite materno é a lactose. Em algumas fórmulas infantis há presença de maltodextrina (fragmento de amido), que confere sabor artificialmente adocicado e aumenta a viscosidade do leite, conferindo saciedade.


O ideal é usar fórmulas que contenham  prebióticos e LC-PUFAS (DHA E ARA). Prebióticos (GOS e FOS) são, na sua maior parte, carboidratos que servem de alimento às bactérias benéficas que vivem no intestino, favorecendo o crescimento desses microorganismos e melhorando assim a saúde da criança. LC-PUFAS são ácidos graxos polinsaturados de cadeia longa, essenciais para o desenvolvimento neurológico da criança. São transferidos pra o feto pela placenta e o leite materno, melhorando a acuidade visual e auxiliando no desenvolvimento cognitivo. 


Há aquelas fórmulas recomendadas para os bebês de 0 a 6 meses (fórmulas de partida), como o Nan Pró 1, Nan Comfor 1, Aptamil, Nestogeno, Milula, Enfamil Premium 1; e as que são destinadas a bebês de mais de 6 meses (fórmulas de seguimento), como Nan Pró 2, Nan Comfor 2, Aptamil 2, Nestogeno 2, Milupa 2, Enfamil Premium 2. 


O seu pediatra fará a indicação da fórmula e saberá o momento certo para trocar. Uma troca cedo demais pode provocar constipação, por exemplo. E, se o bebê não parecer gostar da fórmula que você dá, converse também com o médico para discutir alternativas.

leites de fórmula
Fonte: Mamães Facilidades e Dicas


comparativo dos leites
Fonte: Comida na Rede

O NAN 1 Pro  contém todos os componentes benéficos. Em contrapartida o NAN 2 não tem mais o ARA, ainda presente no Aptamil 2. Como a criança vai estar ingerindo pouco de outras fontes, como o salmão,  seria interessante ainda oferecer no leite. O Aptamil perderia apenas em alguns componentes a partir do Aptamil 3, usado a partir dos 10 meses. No mercado brasileiro as fórmulas mais completas após os seis meses são o Similac Advance 2 e o Enfamil Premium 2, isso em se tratando de fórmulas para bebês sem necessidades especiais. 

Nenhum Ninho ou Sustagem possui DHA. Para quem quiser oferecer DHA para crianças a partir de um ano de idade há opções no mercado como: Enfagrow, Milnutri e Pediasure. O aptamil 3 possui não só DHA mas também ARA e pode ser dado a partir de 10 meses. 

Como preparar: 

Lavar bem as mãos. A água pode ser: mineral (de fonte segura), filtrada e fervida ou clorada (2 gotas de hipoclorito de sódio a 2,5% por litro de água, aguardando-se 15 minutos antes de oferecer). A água do filtro deve ser previamente fervida por 2 minutos e resfriada em temperatura ambiente. Ela pode ser mantida no refrigerador durante 24 horas. Seguir orientações do rótulo para o preparo. Servir na hora ao bebê, não pode ser conservada para dar depois após misturar o pó. Pra ser bem prático o ideal é oferecer a temperatura ambiente. Mas pode ser difícil a aceitação em alguns casos o jeito é amornar o leite - com cuidado para não exagerar na temperatura e queimar a boquinha do bebê. Há algumas opções de aquecedores de mamadeira no mercado, mas eu particularmente não acho prático pro dia a dia.

quantidade de leite


Mais algumas informações:
Lembre de oferecer 30-50mL de água ao bebê entre as mamadas- lembrando que bebês em aleitamento materno não devem beber água!!! Não adicione farinhas na mamadeira. Engrossar o leite é contribuir para a a obesidade futura. É oferecer mais carboidrato do que o bebê necessita e estimular a produção de adipócitos (células de gordura). O número de adipócitos que teremos para o resto da vida é determinado nos primeiros anos de vida - muitos adipócitos estão relacionados à dificuldade em perder peso e ao efeito sanfona. E mais: depois de 6 meses a mamadeira calórica tira o apetite para as papinhas, dificultando o desenvolvimento alimentar saudável. 

Leites de fórmula especiais:
Fórmulas Semi-hidrolisadas

São aquelas onde a proteína do leite de vaca é mais processada no que numa fórmula comum, reduzindo o risco de desenvolvimento de alergia e sendo útil em casos de bebês com má absorção. É o caso do Nan HA ou Enfamil Gentlease.
 Fórmulas extensamente hidrolisadas
Têm um preparo ainda maior para que possam ser ingeridas pelo bebê alérgico à proteína do leite de vaca (APLV). Nelas as proteínas são quebradas em partículas bem pequenas, com menor potencial alergênico. Em muitos casos de APLVs são bem toleradas pelo organismo do bebê (porém em alergias mais intensas, podem continuar desencadeando o processo alérgico). São mais caras e têm sabor ruim. As marcas mais conhecidas são Pregomim Pepti e Alfaré.
Fórmulas à base de aminoácidos
Em casos mais severos de APLV podem ser as únicas toleradas pelo bebê. Podem ser usadas desde o nascimento. Seu processamento é mais elaborado, por isso são as de maior custo. Também têm sabor ruim. As marcas mais conhecidas são Neocate e Aminomed.
Fórmulas sem lactose
Para ser usada em casos de intolerância à lactose (que não tem nada a ver com alergia à proteína do leite de vaca). Quando o bebê não consegue digerir o carboidrato do leite – a lactose – por falta ou produção deficiente da enzima lactase, a fórmula sem lactose é indicada. É o caso do Aptamil sem lactose e do Nan sem lactose.
Fórmulas à base de soja
São indicadas para bebês com intolerância à lactose e com galactosemia. Nessas fórmulas a lactose é substituída por sacarose e xarope de milho. Em alguns casos de APLV elas podem ser usadas. Entretanto, cerca de metade das crianças com APLV também apresentam alergia à proteína da soja – nesses casos apenas as fórmulas hidrolisadas ou à base de aminoácidos devem ser usadas (e, obviamente, o leite materno, com uma rígida dieta por parte da mãe, que não poderá ingerir alimentos que contenham leite e seus derivados em hipótese alguma).
É importante dizer que os pais não devem dar fórmulas à base de soja para o bebê sem a recomendação do pediatra (há lendas de que essas fórmulas diminuem as cólicas do bebê, o que não foi provado cientificamente). A proteína da soja tem valor nutricional menor para o bebê do que a do leite de vaca, que por sua vez é pior do que a do leite materno. Se a soja estiver indicada, deve-se usar a fórmula especialmente preparada para bebês (ex: Nan Soy, Aptamil Soja, SupraSoy, Enfamil ProSobee), e não os leites de soja de caixinha (ex: Ades, Sollys, Naturis), que não devem ser dados a crianças menores de 2 anos. 
Fórmulas A.R.
São as fórmulas anti-regurgitamento, indicadas em alguns casos de refluxo. Possuem um agente espessaste que é ativado no pH ácido do estômago, tornando a fórmula mais “pesada” e por isso mais difícil de voltar depois que o bebê mama. É um erro substituir o leite materno por uma fórmula A.R. sem a recomendação do pediatra se seu bebê apresenta refluxo, pois o leite materno é ainda mais facilmente digerível, reduzindo o refluxo. Além disso, as fórmulas A.R. podem causar constipação em alguns bebês. Algumas marcas conhecidas são Enfamil A.R., Aptamil A.R. e Nan A. R.
Para prematuros 
Esse tipo de fórmula possui  uma composição diferenciada para oferecer os nutrientes que um bebê prematuro precisa, além de ser modificado para facilitar a digestão. Deve ser usada até 60 dias de vida.

Links relacionados:


Amamentação
Extraindo leite materno
Leite materno: como conservar, armazenar e congelar
O mito do leite fraco
Mamadeira: qual, como e até quando usar
Introduzindo os alimentos
Encantadora de Bebês
O choro
Cólicas e refluxo
Chupeta: introdução retirada

Marcadores: ,